domingo, 23 de março de 2014

O Guarani

ALENCAR José. O Guarani. In: Obras Completas de José de Alencar (edição Kindle)


"Fez-se no semblante da virgem um ninho de castos rubores e límpidos sorrisos: os lábios abriram como as asas purpúreas de um beijo soltando o vôo".

Aprendemos das nossas aulas de literatura na escola que o livro, O Guarani, segundo romance de José de Alencar, primeiro romance indianista brasileiro, tem como objetivo criar o mito do herói brasileiro. Enquanto na Europa o herói é o cavaleiro medieval no Brasil o herói é o índio.

Pois bem, Alencar então traça o perfil de um índio corajoso e cheio de honra que tem como objeto de sua devoção a moça branca, Cecília, por quem é capaz de inúmeros atos heroicos.

O livro passa pelo " romance de quadrilha": Isabel amava Álvaro que amava Cecília que amava Peri (embora só se dê conta disso nos momentos finais) e que também era amada pelo italiano Loredano, o vilão. Até a caça ao tesouro, traições e batalhas épicas. Certamente com o objetivo de agradar a uma variedade de leitores.

O romance é dividido em quarto partes. Na primeira delas Alencar apresenta ao seu leitor o cenário e as personagens. Na segunda trás à luz alguns eventos anteriores que explicam o momento que encontramos as personagens na primeira parte e também nos ajuda a entender os eventos que levarão ao desfecho narrado na terceira e quarta partes do livro.

O Guarani é em geral um bom livro. Porém tem vários momentos na trama que irritam o leitor. Um deles, a personagem de Cecília, que é muito egoísta (embora no final mude, um pouco, sua atitude). Achei estranho que esta mocinha do período romântico carregasse este traço defeituoso. Não quero dizer com isso que as mocinhas devam ser perfeitas, pelo contrário, mas me pareceu diferente uma mocinha romanesca egoísta visto que em geral as mocinhas romanescas são seres perfeitos e resignados. Alencar até tenta dizer que ela é um anjo e tal mas não passou despercebido, aos meus olhos, o egoísmo de Ceci. Suas atitudes para com Peri, sua prima Isabel e também com Álvaro são insensíveis. 

Além disso, trás aquelas reviravoltas típicas de folhetim que pretendem surpreender o leitor e capturá-lo a trama. Ok, reviravoltas podem ser interessantes mas alguns elementos me pareceram exagerados. Como por exemplo, Peri era alguma espécie de gato de sete vidas? Por que convenhamos... Quantas vezes alguém pode "quase morrer" e depois sair sem nenhum aranhão? E aquele momento de Isabel e Álvaro no "quarto de virgem"? O que foi aquilo? Espero que você me responda "um delírio provocado pelos veneno aromático" porque a outra resposta é INACREDITÁVEL.

Enfim, apesar de algumas ressalvas O Guarani consegue prender o leitor até o final. Final que, aliás, termina em aberto deixando o leitor "decidir" o que aconteceu afinal com Peri e sua Ceci.

sexta-feira, 14 de março de 2014

Coisas Frágeis (Neil Gaiman)

GAIMAN Neil, Coisas Frágeis. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2010.



Coisas Frágeis é uma coletânea de contos do autor Neil Gaiman em dois volumes. Estes contos já haviam sido publicados em outras coletâneas de contos e que Gaiman resolveu reuni-las nestes livros. Na introdução do livro além de nos apresentar o livro em si Gaiman faz uma pequena introdução para cada conto do livro e foi interessante ler sobre de onde surgiu a ideia para o conto e também o que ele pretendia com cada história. A maioria das histórias foram feitas sob encomenda para alguma publicação.

No primeiro volume Gaiman nos apresenta nove contos. São contos peculiares, alguns bem estranhos. Uma mistura de boas histórias com outras nem tão boas assim. O conto que abre a coletânea, Um estudo em esmeralda,  é uma releitura diferente de um estudo em vermelho do Conan Doyler. Eu particularmente me divertir lendo este conto e apesar de não ser a maior fã de livros de detetive me deu vontade de ler Sherlock Holmes.

A vez de outubro também é um conto interessante. São os mês do ano que se reúnem em volta de uma fogueira para contar  histórias. E agora é a vez de outubro e como não poderia deixar de ser, outubro conta uma história estranha sobre um menininho no cemitério e é claro o conto termina num suspense. Na introdução para este conto Gaiman diz que escreveu este conto enquanto estava desenvolvendo as personagens do livro do cemitério. 

Lembranças e Tesouros é um conto que eu incluiria no grupo "dos contos estranhos". Conta a história de Smith e do senhor Alice. Personagens que não me provocam nenhum carisma. 

Os fatos no caso do desaparecimento da senhorita Finch é um conto bizarro sobre um cara que vai encontrar uma moça - amiga de um casal de amigos deles - e que eles acabam num circo pra lá de estranho no qual a senhorita Finch desaparece de uma forma muitooo bizarra após participar de um número especial do circo. É uma loucura mas gostei do conto.

O problema de Susan é um conto no qual Neil Gaiman tenta dar um final para a personagem Susan das Crônicas de Narnia. Para quem leu os livros C.S. Lewis sabe que Susan não vai ao paraíso de Aslam então neste conto Gaiman se propõe a dar esse final.

Golias foi um conto que ele fez a para o site do filme Matrix antes do lançamento do filme. Eu adorei este conto, sabe, toda aquela história de realidade alternativa, tudo muito louco.

Como conversar com garotas em festa um conto sobre dois garotos que acabam numa festa estranha com garotas "sobrenaturais". O conto tem um certo humor e envolve seres extra-terrestres. Gostei.

O pássaro do Sol  é, na minha opinião, o pior conto do livro. É sobre um grupo de pessoas estranhas que gostam de experimentar comidas exóticas. Elas estão entediados porque já comeram de tudo até que um personagem "X" propõe que eles façam uma viagem ao Cairo para provar uma iguaria especial, o pássaro do sol. Apesar do final ser surpreendente a narrativa é chata.

O último conto do livro, O monarca do vale, é mais um conto que trás Smith e senhor Alice como personagens. O conto é razoável e o ponto positivo é que Senhor Alice não consegue seu objetivo no final.

GAIMAN,Neil. Coisas Frágeis 2. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2010.


Neste segundo volume de Coisas Frágeis, Neil Gaiman trás alguns poemas além dos contos. Dos poemas o meu preferido é A Câmara Secreta um poema sobre o Barba Azul e suas esposas. Mas nesse poema Barba Azul não dá o aviso de que sua esposa não deve abrir aquela determinada porta e sendo assim o que acontece? Adorei.

Dos contos, neste segundo volume, os que mais me chamaram atenção foram: Noivas Proibidas dos Escravos sem rosto na casa secreta da noite e  do temível desejo. Um conto sobre um jovem autor que está tentando escrever uma história de terror mas coisas estranhas acontecem enquanto ele está escrevendo o seu texto. 

O cascalho da Memória é um conto baseado numa fato real e inexplicável na infância de Gaimam. E Hora de Fechar é um conto sobre pessoas que se frequentam um determinado bar e um dia resolvem contar estórias de fantasmas. Então uma dessas pessoas conta uma história de um encontro insólito com umas crianças no seu bairro e o que aconteceu a partir desse encontro. O final do conto é surpreendente. 

Pó Amargo também é um conto muito interessante sobre um cara que numa circunstância estranha assume a identidade de um antropólogo que estava indo dar uma palestra sobre crianças zumbis. Muito bom.

quarta-feira, 5 de março de 2014

Desafio Literário: Março - um livro de suspense

LEHANE, Dennis. Ilha do medo. 2ª. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.


"A simpatia é o luxo dos que ainda acreditam na verdade essencial das coisas. Na pureza e nas cerquinhas brancas em torno das casas e das famílias". (In: Ilha do Medo, p. 130)

Incrível. Esse é um suspense que vai deixar você desconfiado de tudo.

Tudo começa com a chegada de dois policiais (xerifes) Teddy Daniels e Chuck Aule a ilha Shutter que abriga um hospital psiquiátrico para criminosos loucos e violentos. Os policias estão lá para investigar o desaparecimento de uma paciente, Rachel Solano. Porém logo eles descobrem que há algo muito estranho acontecendo na ilha e a busca por resposta leva o policial Taddy Daniels a uma descoberta surpreendente. E você, leitor, será levado a acreditar, desacreditar e a duvidar de tudo. E para mim o enigma maior está no prologo do livro - um relato do doutor Lester Sheehan posterior aos acontecimentos do livro - porque quando você pensar que chegou ao fim, volte ao prologo, leia de novo e você vai permanecer incerto de tudo. Sensacional.


Em 2010 , o diretor Martin Scorsese levou aos cinemas a adaptação dessa obra de Dennis Lehane com Leonardo Dicaprio e Mark Ruffalo nos papeis dos xerifes Teddy Daniels e Chuck Aule. O filme é extremamente fiel ao livro, aliás a adaptação mais fiel que tive oportunidade de assistir. Tanto o livro quando o filme são incríveis. Altamente recomendado para quem gosta de um bom suspense!